Prêmio Empreendedor Social da Folha abre votação para a categoria “Escolha do Leitor”

A votação popular da categoria “Escolha do Leitor” do Prêmio Empreendedor Social está aberta. Realizado pela Folha de S. Paulo em parceria com a Fundação Schwab, o concurso chega à 12ª edição com a indicação de Carlos Pereira (Livox), Cláudio Spínola (Morada da Floresta); Jonas Lessa e Lucas Corvacho (Retalhar); Michael Kapps (Tá Na Hora); Nina Valenini (Arredondar); eTatsuo Suzuki (Magnamed) como finalistas de 2016. O eleito pelo voto dos internautas será conhecido na cerimônia de premiação em 7 de novembro, no Teatro Porto Seguro, em São Paulo.

Na votação popular, os seis finalistas competem entre si, tantos os candidatos ao Prêmio Empreendedor Social, para projetos maduros, quanto aqueles que disputam o Prêmio Empreendedor Social de Futuro, voltado a iniciativas em fase de consolidação.

A categoria tem o patrocínio da Fundação Banco do Brasil. “A ampla participação na categoria Escolha do Leitor possibilita o reconhecimento de iniciativas e soluções inovadoras que impactam as comunidades brasileiras”, afirma Gerôncio Luna, presidente da Fundação Banco do Brasil.

Ele destaca a importância do Prêmio Empreendedor Social, assim como do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologias Sociais, realizado a cada dois anos, como iniciativas que fomentam e reconhecem a participação do terceiro setor no desenvolvimento de soluções efetivas que geram inclusão social e transformam a vida das pessoas.  

FINALISTAS DE 2016

Carlos Pereira, 38 anos

O empreendedor é criador do Livox, um negócio de impacto social voltado para o desenvolvimento de produtos, soluções, serviços e treinamentos, que viabilizam a inclusão social e a acessibilidade de pessoas com deficiência no convívio familiar e social. O produto surgiu da necessidade dos pais – Carlos Edmar Pereira e Aline Costa Pereira – de se comunicarem melhor com a filha Clara Costa Pereira, que tem paralisia cerebral. Analista de sistemas, o pernambucano reuniu uma equipe de colaboradores para criação do primeiro software de comunicação alternativa para tablets em português. A empresa foi apontada pelo World Summit Awards (WSA) Mobile 2015 como destaque entre os conteúdos mais inovadores para dispositivos móveis e que coopera com a Cúpula Mundial sobre a Sociedade da Informação. Em 2016, o empreendedor recebeu um convite do Google para aprimorar a solução, e atualmente vive nos Estados Unidos. 

Cláudio Spínola, 40 anos

O ambientalista transformou estilo de vida saudável em um negócio social para popularizar a compostagem em São Paulo. Fundou a Morada da Floresta, que por meio de composteiras domésticas vende soluções verdes para a destinação do lixo e também incentiva a agricultura urbana. O projeto-piloto com a Prefeitura de São Paulo resultou no tratamento de 3,5 mil toneladas de dejetos orgânicos, envolvendo residências, condomínios, empresas e escolas.

Jonas Lessa, 25 anos, e Lucas Corvacho, 28 anos

Amigos de infância, o biólogo e o gestor ambiental se uniram para criar um negócio inovador de reciclagem de uniformes profissionais. A startup Retalhar surge como solução para o problema da logística reversa da cadeia têxtil, evitando que 12 toneladas de tecido sejam enviadas para o lixão ou incineradas, além de impactar a vida de costureiras, que geram renda transformando retalhos em produtos, como os cobertores populares distribuídos a moradores de rua. 

Michael Kapps, 27 anos

Economista formado na Universidade Harvard, o russo trocou os Estados Unidos pelo Brasil, onde fundou uma startup de impacto social. O Tá Na Hora é uma plataforma de acompanhamento de pacientes e monotiramento via SMS. Tem auxiliado no controle de epidemias no Nordeste e no estudo clínico da vacina contra a Dengue. Umas das aplicações é para gestantes do SUS – um acompanhamento oferecido pela ferramenta que compreende o período pré-natal e os primeiros meses após o nascimento da criança.

Tatsuo Suzuki, 67 anos

Filho de imigrantes japoneses e ex-lavrador, o engenheiro formado pelo ITA (Instituto Tecnológico Aeroespacial) fundou a Magnamed para desenvolver produtos hospitalares de alta tecnologia e baixo custo. Criou um ventilador pulmonar portátil revolucionário, que equipa ambulâncias e hospitais Brasil afora, ajudando a salvar vidas nos rincões do país. Mais leve, simples de operar e eficiente, o equipamento já foi vendido para 40 países, espalhando seu impacto social pelo mundo.

Nina Valentini, 29 anos

De centavo em centavo, a administradora tem ajudado no custeio de organizações não governamentais por meio de um sistema inovador de coletar doações. O Instituto Arredondar faz a ponte entre doadores, varejistas e instituições beneficiadas, oferecendo ao consumidor a possibilidade de, ao final de uma transação na boca do caixa, arredondar a compra em benefício de instituições e causas. Centavos que viraram, por exemplo, atendimentos humanizados para gestantes e árvores replantadas na Mata Atlântica.

PREMIAÇÃO

 Há 12 anos a equipe de jornalismo da Folha sai a campo para avaliar iniciativas de impacto social Brasil afora. "A cada ano, a premiação dá visibilidade a empreendedores empenhados em resolver problemas nacionais, a exemplo dos seis finalistas de 2016 que com energia e talentos estão ajudando a transformar a realidade brasileira", afirma o editor-executivo da Folha de S. Paulo, Sérgio Dávila.

Marisol Argueta, diretora do Fórum Econômico Mundial na América Latina e representante da Fundação Schwab detalha que a entidade trabalha para desenvolver a inovação social em todo o mundo e apoia uma rede crescente de empreendedores sociais. “No Brasil, contamos com a fértil parceria da Folha de S. Paulo para identificar e reconhecer as principais organizações que atuam no país com o objetivo de resolver questões sociais e ambientais”, afirma.

Criada em 2005 pela Folha de S. Paulo e Fundação Schwab – correalizadora do Fórum Econômico Mundial de Davos e idealizadora do concurso no mundo –, a premiação tem o objetivo de selecionar e fomentar os líderes socioambientais mais empreendedores do Brasil – que desenvolvam iniciativas inovadoras, sustentáveis e com comprovado impacto.

O Folha Empreendedor Social de Futuro, por sua vez, é dedicado aos líderes sociais de até 35 anos que estão à frente de iniciativas mais recentes, com um a três anos de atuação. Criada pela Folha de S. Paulo em 2009, essa premiação utiliza os mesmos parâmetros internacionais da Schwab para avaliar e contemplar propostas inovadoras que ainda precisam de visibilidade e de capacitação para aumentar sua atuação e influência.

O Empreendedor Social é patrocinado pela Fundação Banco do Brasil, Vivo e pelo IEL, uma iniciativa da Confederação Nacional da Indústria. O prêmio tem a LATAM Airlines Brasil como transportadora oficial e apoio da Porto Seguro. Entre os parceiros estratégicos, Fundação Dom Cabral, ESPM e UOL.